"Chorei muito quando soube" – a alegria de vencer um abaixo-assinado

Esta moradora de Ilhabela acaba de viver o dia ‘em que você sente que tudo valeu a pena’. Conheça a história da mobilização que vai beneficiar mais de 15 mil mulheres no litoral paulista

Até semana passada, as 15 mil mulheres que moram em Ilhabela, no litoral de São Paulo, não podiam contar com um mamógrafo para exames ginecológicos. Precisavam esperar por uma consulta e então pegar a balsa e viajar uma hora para usar o aparelho na cidade vizinha, Caraguatatuba. 

 Graças à petição de Anna Felix, mulheres de Ilhabela farão exames ginecológicos na própria cidade (foto: Arquivo Pessoal)

Graças à petição de Anna Felix, mulheres de Ilhabela farão exames ginecológicos na própria cidade (foto: Arquivo Pessoal)

A empresária Anna Felix passou por isso. Esperou oito meses pelo exame. Depois, soube de um caso bem triste: uma conhecida perdeu o bebê por falta de acompanhamento pré-natal. “Eu me perguntei: quantas mulheres precisarão passar por isso para que algo seja feito?”, diz Anna. O que fazer nesses casos em que o Poder Público parece tão distante? O que fazer para juntar todas as mulheres da Ilha e exigir essa melhoria básica? O que fazer para se sentir menos sozinha perante um problema sistêmico? Anna Felix resolveu dar o primeiro passo. E todo mundo veio atrás.

Desde novembro de 2015, quando fez o abaixo-assinado "Precisamos de aparelhos ginecológicos em Ilhabela!" na Change.org, ela recolheu pela internet mais assinaturas (42.684) que o número de habitantes da cidade (32.197). Não foi fácil. Campanhas exigem dedicação. Ela espalhou o quanto pôde, compartilhou e manteve os apoiadores atualizados. Anna se animava muito com os apoios, que chegavam do Brasil inteiro em forma de assinatura e de comentários no abaixo-assinado.

 Comentários feitos por pessoas que participaram da mobilização ajudaram a convencer o prefeito a responder (foto: Reprodução/Change.org)

Comentários feitos por pessoas que participaram da mobilização ajudaram a convencer o prefeito a responder (foto: Reprodução/Change.org)

Até que o barulho chamou atenção dos poderosos. No primeiro momento, a reação da Prefeitura de Ilhabela foi de susto, com uma campanha que já estava tão grande na internet. Decidiram responder. O prefeito Toninho Colucci escreveu uma resposta na própria página da petição, mas sem dar perspectiva concreta nem topar uma reunião presencial com a Anna. Os apoiadores do abaixo-assinado não deixaram barato e comentaram a resposta, acusando o prefeito de “enrolation”.

 Prefeito Toninho Colucci discursando; ao lado, a resposta oficial ao abaixo-assinado (foto: Alesp)

Prefeito Toninho Colucci discursando; ao lado, a resposta oficial ao abaixo-assinado (foto: Alesp)

Anna, claro, não desistiu. Depois da resposta, a rádio Jovem Pan a procurou e escreveu a reportagem "Abaixo assinado revela triste realidade das mulheres de Ilha Bela, no litoral de São Paulo". Ou seja: a força da mobilização se mostrava com a quantidade de assinaturas e agora com o apoio da imprensa. Ficou insustentável para o prefeito Toninho Colucci, que colocou o assunto em pauta. Na semana passada, oito meses depois do início da campanha, a Câmara dos Vereadores aprovou a compra de um mamógrafo digital para Ilhabela, no valor de R$ 700 mil. 

“Chorei muito quando soube! Estou honrada e orgulhosa de todos que lutaram comigo por uma causa tão nobre que é a saúde da mulher”, comemora Anna. Ela diz que recebeu “a melhor notícia do mundo” quando soube da aprovacão pela Câmara. “Tudo valeu a pena”, disse para a equipe da Change.org, ainda emocionada. Agora foi o Catraca Livre que se interessou pela história e fez uma reportagem: “Petição com 42 mil assinaturas consegue mamógrafo para Ilhabela”.

 Hospital Mário Covas agora terá um mamógrafo digital (foto: Prefeitura de Ilhabela)

Hospital Mário Covas agora terá um mamógrafo digital (foto: Prefeitura de Ilhabela)

Anna é uma das mais de 7 milhões pessoas que usam a Change.org para fazer mudanças de verdade no Brasil. No mundo todo, a plataforma registra uma vitória por hora. Conheça todas as nossas ferramentas no site Como Usar a Change.org e, depois, inspire-se para fazer a sua própria mobilização, clicando aqui.