'O prefeito me ligou' – a emoção de se sentir empoderada

A bailarina Ísis Oliveira criou uma situação tal para o governo de Fernando Haddad que não teve jeito: conseguiu salvar 8 cachorros que seriam largados na rua

Por essa ninguém esperava – nem a própria Ísis Oliveira, que recebeu a ligação pelo celular: Oi, aqui é o Fernando. Desculpa ligar de repente, mas vimos o seu abaixo-assinado e resolvemos dar uma solução”. Quem falava com a moradora da Brasilândia, zona norte de São Paulo, era o próprio Haddad, prefeito da maior cidade da América Latina. O assunto ela já sabia: a petição feita por ela na Change.org para salvar oito cachorros que seriam desalojados pela construção de um hospital municipal. Os animais viviam em um terreno próximo à casa da Ísis e eram cuidados por ela, pela mãe e por vizinhos. Quando percebi que realmente falava com o prefeito, me concentrei e aproveitei o momento para exigir que o cães não permanecessem largados. Na semana seguinte, eles já tinham um novo lar. Foi emocionante!, lembra ela.

 A bailarina Ísis comemora o sucesso do seu abaixo-assinado que salvou a vida de oito cães. (foto: acervo pessoal)

A bailarina Ísis comemora o sucesso do seu abaixo-assinado que salvou a vida de oito cães. (foto: acervo pessoal)

Em quase 3 meses de mobilização, o abaixo-assinado da Ísis chegou à marca de 67 mil assinaturas. Os comentários incentivaram que ela levasse a causa adiante. Ísis foi esperta: mobilizou toda essa galera para pressionar o prefeito Haddad de várias formas. Uma delas foi pedir para todo mundo escrever comentários na página da Prefeitura de São Paulo no Facebook. "Deu muito certo! Quando as pessoas são chamadas a ajudar, elas realmente participam!" A ferramenta de atualizações da Change.org permite que os criadores dos abaixo-assinados mantenham contato com quem assina.

  Depois da atualização da Ísia, MUITA GENTE COBROU UMA SOLUÇÃO DA PREFEITURA no Facebook. (IMAGENS: Reprodução)

Depois da atualização da Ísia, MUITA GENTE COBROU UMA SOLUÇÃO DA PREFEITURA no Facebook. (IMAGENS: Reprodução)

Outra tática foi levar as assinaturas impressas para o prefeito Fernando Haddad no dia da visita às obras do hospital – era construído no terreno onde os cachorros moravam. “Ele chegou todo feliz, achando que estava tudo tranquilo para capitalizar aquele momento. Mas mostramos que é preciso olhar todos os aspectos de uma construção deste tamanho, inclusive a defesa dos animais”, conta a bailarina.

Ísis também procurou a imprensa para colocar ainda mais pressão. Quando foi entrevistada para o Catraca Livre, a bailarina focou na burocracia e na falta de iniciativa dos funcionários da prefeitura para encontrar uma solução para os animais. Não deu outra. Olha como foi o gancho da matéria: "45 mil pessoas pedem para lar a cachorros desalojados, mas prefeitura alega falta de ofício"

A rádio Jovem Pan também fez uma entrevista ao vivo com ela, mas isso depois que o prefeito já tinha ligado. O título: "Cachorros da Brasilândia estão a salvo, mas procuram doações". Mesmo com os cachorros já salvos e com lar, Ísis fez questão de mandar um recado para as milhares de pessoas que ouviam: “Aqui na Brasilândia, estamos fazendo a nossa parte. Mas é importante ter mais gente. Precisamos de doações para a ração dos animais”. A solidariedade chegou mais uma vez.

Hoje, os oito cachorros que ganharam um novo lar estão bem – durante a mobilização, a cachorrinha Piada infelizmente faleceu. No mês passado, Ísis ficou receosa porque moradores criaram o boato de que o lar dos animais seria deslocado de novo. "Fui tirar esta história a limpo com o responsável pela obra e ele disse: ‘De jeito nenhum! Com esses cachorros ninguém mais mexe!’”, conta a bailarina se divertindo. Ela saiu empoderada dessa história toda: “De vez em quando, alguém escreve no Facebook que petição online não funciona. Eu e minha mãe não deixamos passar uma. Sempre escrevemos: ‘Funciona, sim. Funcionou comigo e pode funcionar com você”, diz ela.

Aqui na Change.org, a gente não se aguenta de tanto orgulho <3